07 julho 2010

Espécie humana estará extinta dentro de 100 anos, diz cientista

A espécie humana estará extinta em menos de um século. A previsão nada otimista é do conceituado biólogo australiano Frank Fenner, professor da Universidade Nacional Australiana e um dos responsáveis pela erradicação da varíola.

Em entrevista ao jornal "The Australian", publicada numa quinta-feira (17), ele explicou que por conta "da explosão demográfica e do consumo desenfreado" a humanidade não será capaz de sobreviver.
Seremos extintos. Tudo o que fizermos agora será tarde demais.
disse o pesquisador, hoje com 95 anos.

A afirmação foi feita durante uma rara ocasião em que Fenner se dispôs a falar com a imprensa. Membro da Academia Australiana de Ciência e da Sociedade Real, o biólogo já publicou centenas de artigos científicos e escreveu, sozinho ou em parceria, 22 livros.

Como a população continua a crescer para sete, oito ou nove bilhões haverá muito mais guerras por alimentos. Os netos de gerações de hoje vão enfrentar um mundo muito mais difícil.
disse o pesquisador.

Polêmico, ele credita ainda à falta de ação para se reduzir emissões de gases do efeito de estufa o trágico destino da humanidade.
Vamos sofrer o mesmo que o povo da Ilha de Páscoa. A mudança climática está apenas no começo. Mas nós estamos vendo mudanças notáveis desde já.
A espécie Homo sapiens será extinta, possivelmente dentro de 100 anos. Muitos outros animais também serão. É uma situação irreversível. Eu acho que é tarde demais. Tento não me manifestar sobre isso, porque as pessoas estão tentando fazer alguma coisa.
afirmou.

O jornal The Australian lembra que a opinião de Fenner é compartilhada por outros cientistas, porém abafada na discussão entre os pesquisadores que creem e os que são céticos em relação às mudanças climáticas.

Na semana que vem Fenner fará a abertura do simpósio sobre Clima, Planeta e Pessoas Saudáveis, na Academia Australiana de Ciência. Em 1980, durante uma Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), foi ele quem anunciou a erradicação global da varíola, única doença a ser considerada erradicada em todo o mundo.

Fonte: Notícias Terra